Um dia importante para paulistas e paulistanos . Espero que não seja apenas uma história contada, quase uma lenda ou uma comemoração oficial. Espero que o espírito de luta de 32 e os ideais dos combatentes habitem os corações de todos.

Não para pegar em armas, mas para fazer valer o respeito,  lutando com gestos, atitudes, palavras, redes sociais, e principalmente lembrando que não importa ser maioria ou minoria, não importa rótulo, o objetivo é reconhecer que cada um tem seu espaço.

Não importa mesmo se às vezes quase sentimos um gosto amargo de derrota, um desânimo quase contagiante, ou um desgaste promovido por interesses ocultos.

A Guerra Paulista foi deflagrada nessa data após as mortes  de quatro estudantes: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, além de Alvarenga, que reforçaram os movimentos contra  o governo provisório de Getúlio Vargas. Ao depois mais vidas foram ceifadas em luta armada.

A luta durou alguns meses, e na parte armada, nós paulistanos e paulistas perdemos, mas a derrota não abateu os ideais que a guerra representava, pois pouco tempo depois as principais reivindicações do movimento sobrevieram, como a nomeação de um interventor civil para o Estado de São Paulo, convocação de Assembleia Constituinte e promulgação da Constituição de 1937.

A vitória dos ideais, a sobrevida e vitória das aspirações que originaram a luta também tiveram destaque nas letras.

Guilherme de Almeida, advogado, jornalista, poeta da Revolução teve importante  papel nessa parte da nossa história, usando para isso seus talentos e suas artes.

Esse ideal da luta pela divulgação de ideias por palavras, músicas, poemas, não pode ser perdido ou só soprado ao vento como história paulista, que o poeta bem representou.

A inspiração do poeta da Revolução traz em sua esteira o entendimento que nossas palavras devem continuar ecoando nas redes sociais, publicações, reuniões, confraternizações, nas artes, e utilizar todos os meios de divulgação para plantarmos as sementes de nossas aspirações.

 

Raphaela Galletti

Liderança dos Moradores da Avenida Paulista

 

 


Foto: Leo Martins

Raphaela José Cyrillo Galletti, 

natural da Capital do Estado de São Paulo, advogada e empresária, mantém sua residência e escritório na Avenida Paulista. Graduada em Direito pela FADUSP em 1983, também foi professora e supervisora de ensino do CCAA até 1984, e vice-presidente do Centro de Estudos Tributários e Empresariais entre 1999 e 2003. Desde a graduação atua na área do contencioso e consultoria, além de desenvolver trabalhos administrativos para condomínios.