Não é simples sair da zona de conforto para participar, tirar as vestes de expectador e vestir o figurino de personagem ativo. Mas é chegada a hora de entrarmos em cena.

Neste novo ato todos somos personagens e expectadores!

É hora de falar, discutir, discordar, reclamar e dar sugestões.

Hora de expressar e também respeitar os que não concordam com nossas opiniões.  Hora de aprender a participar!

É chegado o momento de mostrar que também temos opinião, que existimos, que somos ativos e participativos.

Pela Internet, redes sociais, por participação em grupos de discussão, em comissões, eventos, em conversas com amigos e vizinhos, nas filas, cada um escolhendo seu próprio meio de comunicação.

Grupos de diversas e das mais variadas categorias se apresentam na Avenida Paulista para que suas causas ganhem visibilidade, enquanto aqueles que dão corpo à avenida, aos entornos, ao bairro como um todo, são ignorados e não recebem o mesmo destaque nem na imprensa e nem têm sido incluídos nas políticas públicas dos últimos anos.

Diga-se mesmo que as tentativas de expressão de nossa existência até 2016 foram massacradas por correntes de menor número de participantes, mas ativos e  treinados em expressão,  pressão e com certo tom que beira a ilegalidade por sua verborragia agressiva.

Os cidadãos que diuturnamente mantém seus negócios, patrimônio e residência na região da Paulista foram rotulados, adjetivados de maneira tão  pejorativa, que se poderia entender ser vergonhoso estarmos aqui e pior ainda termos algum direito.

Esses grupos só não entenderam que existimos, somos uma comunidade, e que manifestações vêm, passam, políticas públicas mudam, passeios acabam e quem dá corpo à região permanece.

É hora de participar mostrando nossa existência, e exigir que os discordantes dediquem a nós o mesmo respeito com o qual são tratados quando vêm ao nosso endereço à procura de visibilidade.

A participação pode ser simples, por email, em abaixo-assinados, discreta como participante leitor de grupo de rede social, ativa por  comparecimento a eventos de confraternização e de debates, em grupos de trocas de informação de segurança.

Há muitas maneiras de participar, de sair da zona de conforto e passar de expectador a personagem principal.

Já mostramos que somos inclusivos, agora queremos ser incluídos e respeitados.

Já que estamos no endereço mais procurado do país para a apresentação das mais variadas causas, também temos direito a essa mesma visibilidade.

Participar é o segredo!

Raphaela Galletti

Liderança dos Moradores da Avenida Paulista

 

 


Foto: Leo Martins

Raphaela José Cyrillo Galletti, 

natural da Capital do Estado de São Paulo, advogada e empresária, mantém sua residência e escritório na Avenida Paulista. Graduada em Direito pela FADUSP em 1983, também foi professora e supervisora de ensino do CCAA até 1984, e vice-presidente do Centro de Estudos Tributários e Empresariais entre 1999 e 2003. Desde a graduação atua na área do contencioso e consultoria, além de desenvolver trabalhos administrativos para condomínios.