Escolher um imóvel para comprar e mesmo para alugar não é tarefa fácil e nem situação que considere apenas preço.

Para alugar um imóvel a primeira escolha é o bairro: a preferência é próxima ao local de trabalho ou num ponto em que todos os que nele morem tenham um percurso não muito distante e nem desconfortável.

O primeiro passo já pode gerar conflitos, pois, por exemplo, numa família, os filhos não querem estar distantes dos amigos, da preferência de local de estudos, e os gestores familiares devem lidar com todos os fatores, pois a pior situação é a agradar alguns em detrimento das necessidades de outros que têm a mesma importância no grupo. O exemplo familiar se estende a casais, grupos de amigos, irmãos, etc.

Eleito o bairro, passa-se à procura do imóvel ideal: quantidade de quartos, tamanho da sala, conforto da cozinha, quantidade de banheiros, tudo dentro de um orçamento viável. Começa a fase de visitação.

As condições da estrutura do imóvel, geralmente esquecidas, devem entrar na lista de checagem das pessoas que querem não só comprar, mas também para alugar imóveis. A lista deve ser composta por itens de informações sobre a parte elétrica e hidráulica, a idade do imóvel, o custo do IPTU, e em se tratando de apartamentos, o custo do condomínio.

Os interessados devem primeiramente se sentir bem dentro do imóvel em visitação, e isso significa analisar luminosidade natural, lado que o sol bate pela manhã e à tarde, o ruído da rua, facilidades da vizinhança, existência de praças e parques nas imediações, mercados, padarias, farmácias, hospitais, shoppings, escolas, transporte público e locais de necessidades e preferências pessoais.

O valor a ser pago mensalmente, seja a título de aluguel ou prestação da casa própria não pode ultrapassar o equivalente a 30% da renda dos integrantes pagadores do grupo, formadores da renda, para não comprometer as finanças e o convívio dos moradores.

Muitos interessados utilizam a técnica de depreciação ou de sugestões e exigências de grandes modificações nos imóveis disponíveis no mercado, o que não é uma boa tática, pois antipatiza com o proprietário, e inviabiliza a negociação. A negociação e o relacionamento entre os envolvidos devem ser norteados pela clareza e sinceridade.

A escolha de um imóvel não é um fator simplesmente econômico, mas é a do local que será o lar das pessoas pelo menos durante algum tempo, local onde cada um instalará o seu porto seguro, o seu refúgio, onde descansará para enfrentar a lida, e onde passará bons momentos com a família e amigos.

Luiz Alberto da Silva Vieira

SMAC SS Ltda   


Foto: R. Galletti 

Luiz Alberto da Silva Vieira, 

português, natural da Ilha da Madeira, chegou a São Paulo com poucos de meses de idade e já cresceu paulistano. Formado em turismo, publicitário, abraçou a carreira de administração de condomínios, como sócio da empresa SMAC SS Ltda., alguns anos após ter experiência exercendo o cargo de síndico do Condomínio Edifício Nações Unidas, um dos símbolos da Avenida Paulista.