Tomo emprestado o título de um dos melhores livros do excelente Leonard Mlodinov,  “De Primatas a Astronautas”. O autor nos leva a um tour fascinante pela história do progresso humano e do desenvolvimento da ciência, apresentando uma nova percepção acerca das características do ser humano que nos ajudaram a evoluir dos instrumentos de pedra à linguagem escrita, passando pelo nascimento da química, da biologia e da física moderna, e culminando nos grandes avanços tecnológicos do mundo atual.

A fome de conhecimento do homem transforma o mundo e a sua determinação por conquistar seus objetivos o coloca como protagonista de sua própria história.

Se voltarmos no tempo, próximo a 4.000 a.C., os primeiros aglomerados humanos definidos como cidades surgiram no oriente médio. Talvez a mais destacada dessas cidades, uma força importante na tendência à urbanização, tenha sido a grande cidade murada de Uruk, no que hoje é o sudeste do Iraque, perto da cidade de Basra. Embora o oriente médio tenha sido a primeira região a se urbanizar, não era uma terra fácil da qual se extrair a subsistência.

Em região próxima encontra-se outra cidade, um pouco mais nova cujas escavações comprovam uma ocupação contínua de mais de 5.000 anos, a cidade de Damasco, na atual Síria que disputa, com Jericó e Biblos, o título de cidade mais antiga continuadamente habitada do mundo, sendo a cidade-capital mais antiga do planeta.

Mas essa região sofre com a Guerra Civil Síria, cuja eclosão da revolta armada se deu em 15 de março de 2011 e que passou também a abranger aspectos de natureza sectária e religiosa, com diversas facções que formam a oposição combatendo tanto o governo quanto umas às outras. Assim, o conflito acabou espalhando-se para a região, atingindo também países como Iraque e o Líbano, atiçando, especialmente, a rivalidade entre xiitas e sunitas. A partir de 2013, aproveitando-se do caos da guerra civil na Síria e no Iraque, um grupo autoproclamado Estado Islâmico começou a reivindicar territórios na região, forçando mais de quatro milhões de sírios que já teriam buscado refúgio no exterior para fugir dos combates.

Emmanuel Ouba é um desses refugiados com o qual eu tive o privilégio de manter contato através de uma ONG a qual eu participo ativamente. Era uma tarde de sábado do dia 28 de novembro de 2015 e eu estava palestrando para um grupo de jovens que se interessava em ingressar em cursos profissionalizantes. E lá estava o jovem Emmanuel então com 21 anos se esforçando para falar e entender português, um dos idiomas mais difíceis. Vi que ele falava fluentemente o inglês e lhe fiz algumas perguntas. Em sua simplicidade ele me disse que precisava aprender português de qualquer maneira e que se esforçaria para entender a palestra no idioma do país.

Havia abandonado o curso de biologia da Universidade de Damasco, o qual dividia entre suas aulas particulares que ministrava em inglês, biologia e química, além de ter o cargo de auxiliar de uma biblioteca na faculdade de ciência da universidade para reforçar o orçamento. Tudo isso em estado de guerra.

Ele havia chegado da Síria em agosto daquele mesmo ano, e desde então estava tendo apoio do ADUS (Instituto de Reintegração do Refugiado), lecionando inglês para brasileiros e sírios e fazendo quatro cursos de língua portuguesa e tendo aulas particulares de acompanhamento.

Seu sonho: ser veterinário, profissão de seu avô.

Em pouco menos de um ano de Brasil, Emmanuel aprendeu português, prestou vestibular no meio do semestre de 2016 e passou no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas, no campus da cidade de Muzambinho (MG)!

O curso em Minas Gerais é integral, o Instituto garante o auxílio estudantil, e segundo Emmanuel o curso possui alta qualidade, a biblioteca é muito boa e o refeitório é excelente!

Foco, objetivo, diversidade, acolhimento e o investimento em educação.

Fantástico! Exemplo!

A comunidade da Avenida Paulista saúda o nosso amigo e irmão Emmanuel Ouba!

Leia também a matéria da UOL

Marco Antonio Jordão Magalhães

Publisher


Foto: Fernanda Magalhães 

Marco Antonio Jordão Magalhães, 

paulistano, empreendedor e empresário, possui MBA pela Michigan University na Michigan Ross School of Business. Sua carreira de mais de 30 anos é divida em duas fases, como colaborador premiado na área de marketing em multinacionais automobilísticas e como empreendedor conduzindo ideias, inspirando clientes e dirigindo uma equipe global de web e marketing. Mora em São Paulo e ama a Avenida Paulista, onde aplica parte dos serviços de integração digital, social e design que fazem a diferença para seus clientes em New York, San Francisco, Toronto, Londres, Buenos Aires e São Paulo.