A região da Avenida Paulista receberá as atividades desse importante evento internacional, o primeiro a ser realizado no Brasil, entre os dias 05 e 11 de novembro de 2018, e os moradores e representantes de outros setores da região foram incluídos na pauta para conhecerem e apresentarem impressões sobre tal realização.

O Ministério da Cultura (MinC) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promovem, na cidade de São Paulo, a primeira edição do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR), megaevento de negócios que vai reunir centenas de empresas e milhares de criadores e empreendedores dos setores culturais e criativos do Brasil e de outros países. O MICBR será realizado no corredor cultural da Avenida Paulista e região, com o objetivo de impulsionar a internacionalização da produção cultural brasileira e o intercâmbio entre os países, em especial da América do Sul.

No dia 22 de outubro os moradores e representantes de alguns setores da região receberam os representantes da organização do MICBR2018, em reunião realizada no salão de festas do Condomínio Edifício Queen Elizabeth, oportunidade em que houve apresentação da agenda prevista para a Avenida Paulista e região no decorrer do período em que será realizado o evento.

Compareceram, para realizarem a apresentação, e ouvirem os integrantes da comunidade da Avenida Paulista e entornos, Elini Jaudy - consultora em planejamento e manuais de eventos em área pública, José Mauro Gnaspini - assessor especial do Ministro de Estado da Cultura, Karen Cunha - consultora artística e Ricardo de Paula - coordenador de produção.

Ao longo dos sete dias, são esperadas participações diárias de 2 mil pessoas nas atividades de mercado, e de 3 mil, nas programações culturais. Esses números devem saltar para até 30 mil pessoas no fim de semana que encerra o evento, em 10 e 11 de novembro, nas diferentes atrações espalhadas por centros culturais da Avenida Paulista.

O megaevento reunirá cerca de 500 empresas e aproximadamente 100 compradores internacionais. Na programação, estão incluídas rodadas de negócios (em que produtores e compradores ficam frente a frente), espaços para a troca de contatos profissionais (networking), oportunidades de apresentação de produtos e serviços (pitchings), além de atividades de capacitação para empreendedores, como palestras, seminários, oficinas e clínicas de mentoria. Apresentações artístico-comerciais (showcases) de música, artes cênicas, moda e gastronomia também fazem parte da programação. A expectativa é que o MICBR movimente mais de US$ 10 milhões em negócios.

O MICBR nasce inspirado em experiências exitosas realizadas em outros países, como o Mercado de Indústrias Criativas Argentinas (MICA) e o Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MICSUL). O evento brasileiro abrangerá dez setores da economia criativa: artes cênicas (circo, dança e teatro), audiovisual (cinema, TV, publicidade e novas mídias), animação e jogos eletrônicos, design, moda, editorial, música, museus e patrimônio, gastronomia, e artes visuais, e procurou a integração com a comunidade local, para que também no Brasil a experiência tenha resultados positivos.

Oito países sul-americanos confirmaram participação: Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai, além do anfitrião Brasil. Até 100 empresas de mais de 30 países serão convidadas a participar na condição de compradoras. Em outra frente, a Apex-Brasil promoverá um seminário Brasil-China durante o evento, para estimular as relações comerciais entre os dois países.

A organização do MICBR2018 se preocupou em criar os eventos de forma a conciliar o recebimento do público sem tumultuar as atividades locais da Avenida Paulista, pois que, em sua maioria, estão previstos para realização  nas sedes dos polos culturais, com algumas atividades externas.

Serão utilizados locais como na Praça Alexandre de Gusmão, Praça Oswaldo Cruz, Praça dos Arcos,  Parques Paulista, dentre outros  e locais ao longo da própria avenida,   no domingo, para as atividades externas, obedecendo os horários usuais de atividades regulamentadas pela PMSP, e as características do Programa Ruas Abertas, objetivando minimizar os impactos aos moradores.

Os eventos internos e atividades externas não acarretarão em impacto geral para os moradores, pois que o próprio Ministério da Cultura, sensibilizado com os problemas dos moradores e está procurando contemplar as ações de maneira a atender os frequentadores do evento, os usuários da via aos domingos e minimizar as incomodidades relatadas pelos moradores.

Essa reunião já demonstra os resultados alcançados pelo Movimento dos Moradores da Avenida Paulista e entornos, seus integrantes e colaboradores, e por este portal, que sempre lutam pela inclusão dos moradores atividades da região, e no sentido de estabilizar e auxiliar na organização das atividades recorrentes que se dão aos domingos e as que ocorrem em outros dias da semana, seja por extensões de eventos culturais ou derivativos de suas atividades.

Os moradores da Avenida Paulista já não são mais “invisíveis”, e um evento internacional desse porte está levando em consideração processos que agregam valores à região, com respeito às atividades locais, e mínimo de desconforto aos moradores.

Parabéns ao Ministério da Cultura pela iniciativa de apresentar antecipadamente as atividades que possam interferir na vida diária dos moradores da Avenida Paulista, e pela disposição de consultar, acrescentar e agregar valores que visam minimizar as interferências na comunidade local, trazendo soluções para ocupação do espaço público, chamando seus integrantes para discutir e participar.

Isso é respeito com o movimento!

    

Marco Antonio Jordão Magalhães

Publisher


Foto: Fernanda Magalhães 

Marco Antonio Jordão Magalhães, 

paulistano, empreendedor e empresário, possui MBA pela Michigan University na Michigan Ross School of Business. Sua carreira de mais de 30 anos é divida em duas fases, como colaborador premiado na área de marketing em multinacionais automobilísticas e como empreendedor conduzindo ideias, inspirando clientes e dirigindo uma equipe global de web e marketing. Mora em São Paulo e ama a Avenida Paulista, onde aplica parte dos serviços de integração digital, social e design que fazem a diferença para seus clientes em New York, San Francisco, Toronto, Londres, Buenos Aires e São Paulo.